Experiência de ser mãe é algo maravilhoso, dizem mães valinhenses

Experiência de ser mãe é algo maravilhoso, dizem mães valinhenses

Luiz Felipe Leite

Repórter

Mulheres frequentadoras do Clube de Mães desde a fundação falaram um pouco em homenagem ao Dia das Mães
Mulheres frequentadoras do Clube de Mães desde a fundação falaram um pouco em homenagem ao Dia das Mães

Luiz Felipe Leite

Repórter

Ser mãe é um desafio constante. Cuidar dos filhos, da casa e ainda trabalhar fora é uma realidade de muitas mulheres valinhenses (e de todo o Brasil). Mas certas coisas nunca mudam. Os bons exemplos familiares são algumas delas, além do amor verdadeiro entre mães e seus filhos, netos e até bisnetos. As pessoas que afirmaram isso para a reportagem da Folha de Valinhos têm experiência suficiente na área. Trata-se de Maria Tereza Favarin Reale e Oridia Margarida Bahia Ortulan, moradoras do bairro Bom Retiro e frequentadoras do tradicional Clube de Mães há 46 anos, ou seja, desde a fundação da entidade. Elas foram entrevistadas com exclusividade por causa do Dia das Mães, que será comemorado no domingo, 14, e contaram um pouco de como é ser mãe.

Folha de Valinhos: Como surgiu o convite para ambas ingressarem no Clube de Mães?

Maria Tereza: Sempre gostei de atividades como o artesanato. Não lembro exatamente quem me convidou, mas como sempre fui curiosa, resolvi arriscar. Deu tanto certo que estou lá até hoje (risos).

Oridia: Uma conhecida do bairro me entregou um folheto convidando todas as mulheres a participarem. Foi bom, pois conheci muitas pessoas lá. E algumas delas são minhas amigas até hoje, como a Tereza aqui do lado.

Como eram as atividades no começo do clube e como elas são hoje? Quais são as diferenças, caso elas existam?
Tereza: Antes o objetivo era ensinar mulheres a fazerem algo que pudesse dar algum retorno financeiro, como artesanato, por exemplo. Hoje, em parte, ainda é assim. No entanto há muito desinteresse da atual geração de mães em continuar com o clube.
Oridia: É mesmo, Tereza. Lembro que fazíamos muitas coisas interessantes. Hoje acontecem atividades diferentes. Não que sejam ruins, mas é bem diferente do que fazíamos antes.

As senhoras falaram em desinteresse das novas mães. Qual seria o motivo desse desinteresse delas no clube?
Tereza: As mulheres mais jovens, principalmente essas que estão sendo mães de hoje em diante, não são tão atenciosas quanto as gerações anteriores. Fora que elas estão muito ocupadas atualmente.
Oridia: A maioria delas trabalha fora, além de cuidarem da casa, dos filhos e até dos maridos, caso tenham. Acho que é por isso. Elas não tem desinteresse por algo premeditado, é apenas falta de tempo mesmo.

É diferente ser mãe atualmente do que ser mãe no final da década de 1960?
Tereza: Há algumas diferenças, claro. Apesar que meus filhos, que já possuem netos inclusive,  deram conta do recado. Eles passaram para os filhos deles o que ensinei em termos de valores. Isso definitivamente não muda.
Oridia: Eu tive uma educação rígida dos meus pais. E procurei passar isso pra frente. O que mudou, acho, foram as crianças. Elas estão cada vez mais mal educadas, birrentas, tratando mal os pais, etc. Faltam mais valores atualmente.

As senhoras foram consultadas em algum momento pelos filhos sobre dúvidas de como ser mãe? A experiência das senhoras enquanto mães foi valorizada?
Tereza: Ajudei a criar meus netos. O curioso é que com eles não fui tão rígida como fui com meus filhos. Devo ter ficado mole com a idade (risos).
Oridia: Sempre fui muito rígida. Mas sempre ajudei minhas filhas quando precisaram da minha ajuda. Sempre estive à disposição.

Como incentivar as novas gerações a serem mães? O que é bom em ser mãe?
Tereza: Ser mãe é algo maravilhoso. Pois a vida não tem graça sem filhos. É a razão de vivermos.
Oridia: É muito bom ter filhos. Dão muito trabalho, mas no final compensa. Sempre.
Raio X
Nome: Maria Tereza Favarin Reale
Idade: 72 anos
Cidade: Valinhos
Filhos/Netos/Bisnetos: Três filhos, sete netos e três bisnetos
Nome: Oridia Margarida Bahia Ortulan
Idade: 77 anos
Cidade: Campo Belo-MG
Filhos/Netos/Bisnetos: Quatro filhas, oito netos e quatro bisnetos